arquivo

Arquivo mensal: fevereiro 2015

kiki sm

Caminhando entre os corredores sombrios do museu perdi o anel. Entre as sete igrejas do apocalipse buscar, unhas pintadas de esmalte barato, aonde? Perdida na multidão entre turistas ávidos por mais uma pose. Percorrer o caminho que me traria de volta. Trairia? Haveria outro anel igual ou parecido, não importa. Ao lado da ponte entrar na pequena loja de antiguidades? O homem, paciente, me olha, fala seu francês pausado. Aponta para as etiquetas. Perder o anel logo hoje. Exibir os dedos feios e enrugados pelo frio. O hindu sorri para mim. Diz que os deuses negociam essas coisas. Levam anéis para não levar… o quê mesmo? Agora um anel da Jeanne D’Anjou – desde 1887- valeria uma vida? Enquanto a garota japonesa joga seu estoque de sorrisos via msg eu caminho pela margem do rio. Estou na multidão. Percorrer o mesmo caminho e voltar. E buscar. O quê mesmo?

jussara salazar | img. kiki smith